Descobrindo o que se É

No dia em que o Guru foi percebido por você, certamente uma palavra passou a fazer parte do seu mundo: meditação.

Ao contrário do que costumamos ouvir, a prática de DHYANA não tem por finalidade acalmar o sistema nervoso ou criar condições favoráveis para o aparecimento de poderes. Acreditar nisso seria tão incorreto quanto reduzir a importância do Sol a mero astro do embelezamento do dia.

Meditar é reafirmar a própria disponibilidade para o Divino.

Na verdade, a meditação conduz a um crescente equilíbrio interior, que possibilita uma melhoria nas condições gerais do praticante, já que todos os seus corpos estão sendo gradativamente harmonizados. Apesar disso, meditar é ir além. Até o ponto de fusão...

Meditamos porque abdicamos de todos os objetivos e aguardamos a floração do Ser. Meditamos por já não sermos mais tão práticos e finalistas. Buscamos o Silêncio por não tentarmos mais adequar o ritmo cósmico ao nosso cotidiano destoante. Não pretendemos forçar o portal do Coração. Preparamos-nos para que ele nos acolha de portas abertas. Quando? Quando o momento chegar... suavemente.

Desde cedo, fomos treinados para o imediatismo. Quando percebemos que aguardar faz parte do aprendizado, perdemos o entusiasmo e acreditamos ser demasiado difícil para nós. Outra vez a mente conduziu ao engano!

Na verdade, só descobre a Pérola do Conhecimento quem pelo Guru foi convidado com o mais profundo Amor. É Ele quem aguarda que a erosão se faça sobre as nossas tendências enquanto cresce no coração a VICHARA. O ideal é que meditar se torne tão natural e indispensável quanto respirar.

O que você está esperando ainda, amigo? Por que tantas interrupções na prática? Afinal, você aceitou o Caminho? É a sua hora de tentar o que se mantém novo há milênios! Prove que realmente quer ser feliz!

Atingir o Ponto de Equilíbrio é viajar pela Fé e Perseverança e deixar-se ficar, sem pretender respostas, diante da origem de Tudo... do “Todo”.

Por si mesmo, meu amigo, sente-se diante Dele e deixe que toda ilusão corra para bem longe de tua Paz. Mergulhe!

Já é hora de aprender, no interior de seu Coração, o que é Unidade, Ananda e Yoga. Só pela vivência compreenderá que você sempre foi o TODO!

QUE O AMOR SE FAÇA !

Vocabulário:

Guru – Aquele que, em qualquer ocasião, habita no Ser, não vendo, nunca, qualquer diferença entre Ele próprio e os “outros”. Palavra composta por dois radicais: GU (escuridão) RU (dissipar), logo, GURU é aquele que dissipa a escuridão.
Dhyana – Meditação. Vichara – O processo da Autoinvestigação através da pergunta “Quem sou eu?”
Ananda – Felicidade, bem-aventurança.