Erros

Ainda vais errar muito, meu irmão. Louvado seja Deus por mais esta graça, pois é ao errar que um homem percebe o fio da misericórdia que o abraça em Luz.

Antes de ti, diversos outros incorreram em muitas faltas. Um deles, negou seu irmão três vezes. Disse ele: “Jamais conheci um Nazareno”. Ele temeu por sua própria vida como tu fazes muitas vezes quando corres em defesa de teu ego nas mais duvidosas situações.

O homem que negou três vezes, foi posteriormente visitado por Aquele a quem negara. O Nazareno perguntou-lhe: “Pedro, tu me amas?” Por três vezes – tantas quanto negara – Pedro disse: ”Sim, eu te amo”. E nas mãos de Pedro focou a Igreja. Não como prêmio e sim como bendita prova.

Pedro errou como tu erras. Só que ele reconheceu que era nele que habitava a fraqueza e, humilde e verdadeiro, apresentou-se muitas vezes em reuniões de novos cristãos, dizendo: “Eu sou aquele que traiu, mas que pela misericórdia, não foi traído”.

Tu vais errar e aprender, errar e crer, errar e reavaliar, errar e amar, até que o crescimento te faça dizer: "Se não posso erguer minha cabeça neste momento de minha vida, certamente posso erguer minha alma até a Alma do Mundo, onde todas as falhas são consumidas pelo Espírito Santo."

Se despertares em humildade, teus erros serão tua alavanca, como foram para Pedro e Paulo.

Tu vais errar muitas vezes.

Louvado seja Deus por mais esta Graça!