Hoje é dia de Nada

Não há feriado e nem festa. Nem véspera de algo e dia seguinte a alguma coisa. É apenas mais um dia. Desprezado dia entre tantos outros mais significativos.

Hoje é um dia de nada, mas não porque ele queira. É um dia de nada porque você não foi capaz de preenchê-lo. Deixá-lo com um sinal de profundidade, encontro e afeto tão profundo que o transformasse em mais do que um dia de coisa nenhuma que se repousa no travesseiro em meio ao cansaço, quase que proferindo um pecaminoso: “Menos um”.

Arte! Sua vida carece de arte. Não daquela que pinta telas, mas sim a que colore o cotidiano. Não daquela que esculpe formas, mas cria relacionamentos sólidos e cheios de recíproca gratidão. Sua vida precisa de arte capaz de dar melodia às suas palavras tantas vezes sem notas harmônicas.

Hoje é dia de nada porque você tem se recusado a ser o seu melhor e tem temido demais o que pensarão, dirão ou irão sussurrar como crítica.

Hoje é dia de nada porque você evita ser parceiro dos anjos em uma grande festa cósmica.

Hoje é dia de se tornar artista de cada dia, capaz de gerar, com sua energia, os chamados momentos que – se não forem inesquecíveis – pelo menos permitirão que se torne justo. Afinal, não são os dias iguais. Você é que insiste em se repetir.

Renove. Hoje é o dia.